Logo

Portal da Prefeitura


Unidade de Vigilância de Zoonoses


frente UVZ

A Unidade de Vigilância de Zoonoses é um órgão da Divisão de Saúde Ambiental que pertence ao Departamento de Promoção e Vigilância da Secretaria Municipal de Saúde. Seu objetivo principal é a prevenção, monitoramento e controle de zoonoses.

Remoção de Animais em Vias Públicas

A Organização Mundial de Saúde não recomenda a captura e eliminação indiscriminada e sistemática de animais errantes, pois esta ação não promove efeito significativo no controle de doenças e das populações. Levando-se em conta esta recomendação e com base na Lei de Crimes Ambientais (9605/ 98), que considera crime praticar atos de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, a Secretaria Municipal de Saúde modificou sua política de controle de animais, abolindo a captura e eutanásia de animais sadios.

Os métodos de captura, recolhimento e eutanásia dos animais foram humanizados. O laço foi abolido e a captura acontece pelo método de aproximação e remoção, baseado no comportamento instintivo do animal. Caso exista necessidade, os animais são submetidos à eutanásia por meio de injeções aplicadas pelo médico veterinário, sem sofrimento ou dor. As técnicas utilizadas hoje são mais adequadas, menos agressivas e respeitam os animais na sua essência. Há menos estresse tanto para os animais quanto para os funcionários, oferecendo maior segurança e bem estar para ambos. Para o sucesso do controle de população de cães e gatos é necessário a educação em saúde dos proprietários de animais onde os preceitos da guarda responsável são respeitados.

DSC00436

Funções da Carrocinha

1 – Proteger as pessoas e os animais;
2- Realizar educação continuada em saúde;
3 – Remover das ruas os animais agressivos (agressividade comprovada através das técnicas de aproximação);
4 – Remover das ruas animais doentes e em sofrimento extremo;
5 – Remover das ruas os animais de médio e grande porte que estejam soltos em via pública, que possam ocasionar danos à população.

A carrocinha não remove mais das ruas ou de domicílios os animais que estão sadios, pois é considerado crime ambiental a remoção e a eutanásia destes animais.

A Prefeitura de São José dos Pinhais realiza a coleta de carcaças de animais mortos. Entre em contato com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente/Departamento de Limpeza Pública através do telefone 3383 3065.

LEMBRE-SE: Não abandone seu animal de estimação nas ruas, pois é um ato criminoso e cruel – art.32 da Lei federal 9605 de 1998.

Controle e Prevenção de Doenças Transmitidas por Vetores

Dengue

01-dengue

A Unidade de Vigilância de Zoonoses, por meio da equipe de Agentes de Combate às Endemias, realiza constantemente atividades de Controle e Prevenção da Dengue:

• Visitas domiciliares, com o objetivo de identificar e promover a eliminação de criadouros existentes, além de fornecer as orientações pertinentes aos moradores sobre as condutas a serem adotadas para a não proliferação do Aedes aegypti.

• Vistorias quinzenais em Pontos Estratégicos, que são locais que possuem características propícias para se tornarem possíveis criadouros do mosquito da dengue (cemitérios, borracharias, etc).

• Delimitação de foco para pesquisa larvária e eliminação de criadouros em casos de paciente com suspeita de dengue ou quando identificadas larvas positivas de Aedes;

• Coleta de larvas e identificação em laboratório;

• Atendimento de denúncias ou reclamações recebidas da população por meio da Ouvidoria;

• Atividades educativas em que a população é orientada à mudança de comportamento e adoção de práticas buscando evitar a presença e reprodução do mosquito nos domicílios;

Doença de Chagas

2 - doenca de chagas

Na Unidade de Vigilância de Zoonoses existe o PIT – Posto de Informação de Triatomíneos – que é um local onde a comunidade pode entregar insetos suspeitos de serem barbeiros, para identificação.

Os barbeiros podem ser transmissores da Doença de Chagas se estiverem contaminados pelo agente causador da doença, o Trypanosoma cruzi.

Caso o inseto recebido no PIT seja identificado como Triatomíneo será realizada uma visita domiciliar detalhada para ações de controle do vetor. O controle populacional do barbeiro é a melhor forma de prevenir a doença de Chagas.

Estes insetos, de hábitos noturnos se alimentam, exclusivamente, de sangue. Vivem em frestas de casas de pau a pique, camas, colchões, depósitos, ninhos de aves, troncos de árvores, dentre outros locais, sendo que tem preferência por locais próximos à sua fonte de alimento. Quando existe alguma alteração ambiental podem migrar de seus ecótopos naturais para as moradias ou criatórios de animais na busca de alimento.

Ao sugar o sangue de um animal com a doença, este inseto passa a carregar consigo o protozoário.

Ao se alimentar novamente, desta vez de uma pessoa saudável, geralmente na região do rosto, ele pode transmitir a ela o parasita.

Como, geralmente, as pessoas costumam coçar a região onde foram picadas, tal ato permite com que os parasitas, presentes nas fezes, penetrem pela pele. Estes passam a viver, inicialmente, no sangue e, depois, nas fibras musculares, principalmente nas da região do coração, intestino e esôfago.

O que fazer se encontrar um barbeiro na sua residência?

Você deve capturá-lo, sem tocar no inseto e colocá-lo em um vidro. Não coloque álcool ou qualquer outra substância no vidro, pois isto dificultará a identificação do inseto. Coloque seu nome, seu telefone e endereço e entregue na Unidade de Vigilância de Zoonoses ou em qualquer Unidade de Saúde do município.

Controle de Roedores

Os ratos transmitem uma série de doenças e algumas são fatais. As doenças são transmitidas pelas fezes, urina, pulgas e mordedura.

Ratazana (Ratus novergicus)

Rato do Telhado (Ratus ratus)

Camundongo (Musmusculus)

Como notar sua presença?

− fezes no interior das residências;

− buracos no chão, nos cantos das paredes e muros;

− alimentos, papéis, móveis e portas roídas;

− odores de urina de rato.

Como eliminá-lo?

Nos lugares em que existem sinais da presença de rato, recomenda-se:

− Eliminar todas as fontes de alimento, água e abrigo.

− Manter limpo os terrenos baldios, evitando o acúmulo de lixo e entulho, a vegetação deve ser aparada.

Essas atitudes são de responsabilidade do proprietário ou responsável pelo imóvel.

− Em último caso usar raticidas que devem apresentar escrito no rótulo o número de registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Os raticidas devem ser manipulados com cuidado e aplicados somente em áreas onde não exista o acesso de crianças e animais.

Lembre-se: Não existe veneno líquido para o controle dos ratos, este tipo de produto é proibido por lei, devido ao seu grande risco de intoxicação. Ao encontrar veneno líquido para rato a venda no mercado denuncie a vigilância sanitária.

Animais Sinantrópicos

Animais sinantrópicos são aqueles que vivem na presença do ser humano, mesmo sem a sua vontade.

Nunca toque nesses animais, pode ser muito perigoso para sua saúde. Em caso de acidente, procure a unidade de saúde mais próxima.

Diferem dos animais de estimação, que são adotados pelo homem. A Unidade de Vigilância em Zoonoses atua na análise e recomendação das seguintes espécies:

Aranha Marrom

3aranhamarrom

Pequenas mas muito perigosas. Tem pernas longas e finas e sua cor varia do castanho claro ao castanho escuro. Alimenta-se de cupins, traças, pulgas e tatuzinhos.

Pode ser encontrada:

− atrás de quadros pendurados nas paredes;

− dentro de armários de roupas;

− dentro de sapatos, botinas;

− no meio de livros, revistas e caixas de papel;

− nas frestas e forros.

Escorpião 

4escorpiao

É venenoso, mas pouco agressivo. Enxerga pouco e gosta de ficar em lugares quentes, escuros e úmidos durante o dia. Alimenta-se de grilos, baratas, aranhas e insetos que existem onde tem lixo.

Você sabia?

Existe uma região endêmica no município de São José dos Pinhais, onde é encontrado o escorpião amarelo, Tityus serrulatos:

Pode ser encontrado:

− entre restos de material de construção, folhas secas, muros velhos, tábuas de madeira;

− entre sacos de lixo, jornais e papéis acumulados.

Lagarta 

5lagarta

As mais perigosas são do gênero Lonomia. Medem de 6 a 7 cm de comprimento, tem o corpo revestido de espinhos ramificados. A cor é marrom avermelhada ou marrom claro esverdeado com três listras castanho escuro. Vivem agrupadas em troncos de arvores e alimentam-se de folhas.

Aranha Armadeira

6aranhaarmadeira

São aranhas agressivas e valentes, possuem a coloração cinza ou castanho escuro e pelos curtos no corpo e nas pernas. Seu comprimento varia de 2 a 3 cm. Próximo aos ferrões possui pelos vermelhos.

Alimenta-se de insetos em geral e pequenas lagartixas. Podem ser encontradas em:

– terrenos baldios,

– locais escuros,

– buracos na terra,

– entre folhagens de arbustos,

– troncos de árvores,

– bainhas das bananeiras, coqueiros ou palmeiras,

– cachos de bananas,

– pilhas de lenhas, telhas e tijolos.

Morcegos

7morcego

Os morcegos são os únicos mamíferos com capacidade de voar, devido à transformação de seus braços em asas. Saem de seus abrigos ao entardecer ou no início da noite e comunicam-se orientados por sons de alta frequência que são emitidos pela boca ou narinas, possibilitando assim sua orientação.

Utilizam também a visão e o olfato.

A alimentação dos morcegos varia conforme a espécie. Alguns alimantem-se de frutos (frugívoros), outros de néctar e pólen das flores (nectarívoros), de insetos (insetívoros), de pequenos vertebrados (carnívoros) e sangue (hematófagos).

Os morcegos, em geral, ficam abrigados durante o dia em locais como cavernas, ocos de árvore, edificações (nas juntas de dilatação de prédios, porões, sótãos, cumeeiras sem vedação, espaços estreitos entre o telhado, no madeiramento de paredes, chaminés, entre outros), folhagens e superfície de troncos.

São úteis ao homem e à natureza, devendo ser preservados: realizam a polinização de flores, a dispersão de sementes e controle de populações de insetos. Além disso, fazem parte da fauna brasileira e são, portanto, protegidos pela Lei Federal 9.605/98 (Lei do Meio Ambiente).

Devemos evitar a morte indiscriminada desses animais, conscientizando a população quanto à importância de manter vacinados (anualmente) contra a raiva os animais domésticos (cães e gatos) e de produção (bovinos, eqüinos, etc).

Com medidas simples é possível afastá-los sem comprometer a sobrevivência da espécie:

1. Quando um morcego entrar em sua casa ou se encontrá-lo caído no chão, tente imobilizá-lo com uma caixa, balde, bacia ou pano. Jamais toque nele, pois pode causar danos à sua saúde. Entre em contato com A Unidade de Vigilância de Zoonoses.

2. Se os morcegos estiverem alojados no forro da casa, será necessário providenciar a vedação das aberturas existentes, deixando apenas aberta aquela utilizada pelos morcegos como entrada e saída.

Aguarde a saída dos mesmos ao entardecer, e logo após, vede esta abertura com jornal, pano, etc.

Repetir o processo nos dias seguintes, deixando aberta a saída dos mesmos ao entardecer, e depois fechando-a novamente. (Muitas vezes filhotes podem levar dias para voar, por isso é importante repetir o procedimento por alguns dias). Vedar definitivamente todas as aberturas existentes.

3. As fezes acumuladas nos abrigos devem ser umedecidas e retiradas. Para esse procedimento, a pessoa deve proteger boca e nariz, com máscara ou toalha molhada e utilizar luvas.

Ligue para a unidade de vigilância em zoonoses que poderemos orientá-lo quanto ao desalojamento de morcegos em sua residência

Recomendações:

• Não manipule nenhum tipo de morcego, vivo ou morto;

• Nunca tente capturá-los;

• Nunca utilize produtos químicos para desalojá-los;

• Caso alguma pessoa entre em contato com morcegos, deverá procurar a Unidade de Saúde mais próxima.

Pombos

8pombo

São aves de origem européia e alimentam-se preferencialmente de grãos e sementes, mas podem reaproveitar restos de alimentos. Muitas pessoas costumam alimentar estes animais em praças, parques, residências, etc. o que acarreta considerável aumento dessa população. Naturalmente alimentam-se de insetos, vermes, frutos e sementes de árvores e plantas. Abrigam-se e constroem seus ninhos em locais altos como prédios, torres de igreja, forros de casas e beirais de janelas. Formam casais para a vida toda e possuem grande capacidade de vôo. Instalam-se sempre próximos à área de fácil acesso a alimentos.

Doenças que podem ser transmitidas pelos pombos: criptococose, histoplasmose e clamidiose através da inalação de poeira resultante de suas fezes secas, contaminadas por fungos (histoplasmose e criptococose) ou bactéria (clamidiose). O aparelho respiratório fica comprometido e podem também afetar o sistema nervoso central (no caso da criptococose). A salmonelose pode ser transmitida pela ingestão de alimentos contaminados por fezes de pombos e os ácaros existentes nos pombos e em seus ninhos podem causar dermatites em contato com a pele do homem.

O hábito de fornecer alimentos para pombos aumenta sua população, acarretando problemas ao meio ambiente e ao cidadão.

Para controlar os abrigos, é necessário:

• Instalar telas nos vãos dos telhados para impedir a entrada dos pombos.

• Colocar fios de nylons esticados e com altura de 10 cm em muros, beirais, floreiras, etc. Assim os pombos não conseguem pousar no local.

• Utilizar objetos pontiagudos nos locais em que as aves pousam ou fazem ninhos.

• Alterar a superfície em que as mesmas pousam ou fazem ninhos em ângulo superior a 60 graus.

• Objetos brilhantes e com movimento assustam as aves e as afastam do local por algum tempo.

• Produtos com odores fortes como creolina ou naftalina também afastam as aves por algum tempo.

Para não atrair os pombos e outros vetores, não deixe sobras de alimentos expostas

Carrapatos

9carrapato

Os carrapatos são artrópodes pertencentes à classe Arachinida, como as aranhas e escorpiões.

Ocorrem em quase todos os continentes. São parasitas de vertebrados (mamíferos, répteis, aves e anfíbios), ocorrendo em animais silvestres, domésticos e mesmo o homem, alimentando-se do sangue (hematófagos).

– Vistoriar o corpo após freqüentar áreas de mata;

– Evitar caminhar ou freqüentar áreas infestadas por carrapatos;

– Vistoriar semanalmente os animais domésticos ou de produção e, quando apresentarem carrapatos, devem ser tratados com indicação de médico veterinário e mantidos em local restrito;

– Para retirar carrapatos, gire levemente o corpo do mesmo até que se desprenda. Não puxe ou pressione o carrapato.

Quando encontrar carrapatos, entre em contato com a Unidade de Vigilância em Zoonoses

Como evitar estes animais?

− mantenha a casa livre de mato, e de entulhos;

− feche frestas, buracos em paredes, assoalhos, forros, beirais e ralos;

− examine roupas de cama e banho, roupas pessoais e calçados antes de usá-los;

− mantenha camas e berços afastados das paredes;

− observe atrás de quadros, dentro de vasos, nas cortinas e móveis durante a limpeza da casa;

− preste atenção nos troncos das árvores e na grama ao redor;

Programa Guarda Responsável

– O que é o Programa de Guarda Responsável?

É um programa desenvolvido pela Unidade de Vigilância de Zoonoses com o objetivo de sensibilizar a população da responsabilidade em criar um animal de estimação.

– O que é guarda responsável?

É a forma consciente e adequada de cuidar do seu animal de estimação, sem esquecer de:

− Alimentá-lo adequadamente (c/ração);

− cuidar da higiene, dando banhos frequentes;

− criá-lo em local limpo, cercado e coberto em seu quintal;

− planejar e controlar o nascimento de filhotes, ou, se não houver possibilidade de cuidar dos filhotes, castrá-lo;

− ao sair com seu animal não esqueça de usar coleira e guia e levar sua sacola plástica para recolhimento das fezes.

Lembre-se que eles precisam muito de carinho, atenção e respeito! Animal de estimação não é brinquedo! É para cuidar a vida inteira.

− Não adote um animal pensando que ele é um brinquedo para as crianças;

− Sua casa ou apartamento tem espaço suficiente para a espécie de animal escolhido?

− Sua residência tem segurança para que o animal não acesse vias públicas?

− Você pode custear a alimentação e cuidados veterinários como: Vacinas, vermífugos, e outros procedimentos quando necessários?

− Já pensou quem vai cuidar de seu animal durante suas férias, ou em situações de emergência?

− Você esta disposto a cuidar de seu animal de estimação durante toda sua vida?

Cães e gatos vivem em média de 10 a 20 anos

− Antes de obter um animal de estimação, pense claramente qual é seu desejo: companhia, guarda ou outros fins?

− Defina a espécie e raça de seu animal;

− Discuta com sua família para ver se todos estão de acordo em recebê-los, pois podem ocorrer mudanças em seus costumes.

Exerça a guarda responsável! Não contribua com o aumento de animais abandonados em nossa cidade!

Dicas Úteis

− Os animais são protegidos por lei: casos de maus tratos ou crueldades devem ser denunciados

através de boletim de ocorrência na delegacia. Lei Federal 9605/1998 e/ou abrir reclamação no protocolo geral da Prefeitura.

− A castração de animais diminui a superpopulação de cães e gatos nas ruas.

− Se a cadela estiver com filhotes, evite mexer nela, pois pode ficar brava e morder.

− As cadelas e as gatas podem gerar, em média, 12 filhotes todos os anos.

− A castração nas fêmeas elimina a possibilidade de câncer de útero, mama e de infecção uterina.

− O uso prolongado de anticoncepcional em fêmeas pode trazer problemas de saúde ( tumor de mama, infecção uterina).

− Vacine anualmente seu animal de estimação com todas as vacinas indicadas pelo médico veterinário, que é o profissional qualificado para cuidar de seu animal.

− Não toque em animais estranhos, feridos ou doentes e não perturbe os animais quando estiverem comendo,bebendo ou dormindo.

− A melhor forma de prevenir as agressões com cães é exercer a guarda responsável e vacinar os animais anualmente contra a doença raiva.

Vacinação Antirrábica

A Unidade de Vigilância de Zoonoses promove a vacinação antirrábica para cães e gatos, a partir dos três meses de idade.

Adoção de Animais

O Programa de adoção assistida tem como objetivo encontrar um lar para os animais que estão na Unidade de Vigilância em Zoonoses, e assisti-los após a adoção. Estes animais são entregues para o novo dono com a vacinação antirrábica em dia e castrados. A equipe realiza visitas regularmente na residência do novo proprietário a fim de verificar as condições em que o animal encontra-se.

Coleta de Material em Animais com Suspeita de Raiva

Esta ação tem como objetivo realizar a coleta de amostras para diagnóstico de raiva animal de casos suspeitos em cães, gatos e cavalos em áreas urbanas ou rurais. Assim podemos monitorar a raiva animal com o intuito de determinar se existem áreas de risco no município e onde está a fonte de infecção. Caso seu animal apresente algum dos itens indicados abaixo, entre em contat ocom a Unidade de Vigilância em zoonoses:

• Mudança de hábitos;

• Mudança de comportamento;

• Salivação abundante;

• Dificuldade de engolir alimentos e água;

• Falta de coordenação motora;

• Paralisia nas patas traseiras;

• Em cães, o latido torna-se diferente, parecendo um uivo rouco;

1. Lavar o ferimento com água e sabão por dez minutos e procure imediatamente orientação médica;

2. Identifique o animal agressor e seu proprietário;

3. Caso o cão ou gato for conhecido, observa-lo por 10 dias;

4. Caso o animal não tenha dono, desapareça, adoeça ou morra, procure imediatamente orientação com a Unidade de Vigilância de Zoonoses, fone 3384-1228.

Saiba mais sobre as principais zoonoses

Zoonoses são doenças transmissíveis entre as espécies animal e humana. As consequências podem ser muito graves, podendo causar até a morte. Abaixo, temos alguns exemplos das principais zoonoses:

Raiva 

A raiva é uma zoonose viral, caracterizada por uma encefalite progressiva aguda e letal e todos os mamíferos podem transmiti-la. É uma doença infecciosa aguda, causa por um vírus, que compromete o Sistema Nervoso Central (SNC). Pode acometer todas as espécies de mamíferos, inclusive o homem, é uma doença fatal em praticamente 100% dos casos.

Podemos subdividir a transmissão urbana e rural em quatro ciclos epidemiológicos:

1. Ciclo aéreo: morcegos;

2. Ciclo rural: animais de produção;

3. Ciclo urbano: cães e gatos

4. Ciclo silvestre: sagüis, cachorros do mato, raposas, guaximins, etc.

– Como a raiva é transmitida?

Os principais disseminadores da doença são cães, gatos e morcegos, além de outros animais silvestres. A doença é transmitida ao homem pelo contato com saliva de animais contaminada com o vírus, através de mordedura, arranhadura ou lambedura.

– Quais os sinais indicativos da raiva nos animais?

Varia conforme a espécie, em carnívoros normalmente se apresenta na forma furiosa e nos herbívoros forma paralítica.

No entanto, os animais acometidos manifestam-se os seguintes sinais clínicos:

• Mudança de hábitos;

• Mudança de comportamento;

• Salivação abundante;

• Dificuldade de engolir alimentos e água;

• Falta de coordenação motora;

• Paralisia nas patas traseiras;

• Em cães, o latido torna-se diferente, parecendo um uivo rouco;

• Nos morcegos, ocorre mudança de hábito, os animais podem voar durante o dia.

– O que fazer quando for agredido ou entrar em contato com animais que possam transmitir a raiva?

Medidas a serem tomadas pela pessoa que foi agredida:

Medidas a serem tomadas com o animal agressor:

• Lavar imediatamente o ferimento com água e sabão por pelo menos 10 minutos;

• Procurar com urgência o Serviço de Saúde mais próximo para receber atendimento médico;

• Nunca matar o animal, pois este é fundamental para um diagnóstico preciso;

• Cães, Gatos entre outros mamíferos carnívoros: devem ser observados durante dez (10)

dias com água e comida, para que se possa observar qualquer mudança de comportamento e sinais da doença;

• Caso o animal adoeça, morra ou desapareça durante este período contate imediatamente o

Serviço de Saúde;

• Morcegos: Entrar em contato com a Unidade de Vigilância de Zoonoses, para que se possa fazer a coleta do morcego, ou então o Serviço de Saúde mais próximo.

– Como prevenir a Raiva?

• Vacinar seus animais domésticos e de produção anualmente;

• Não tentar a aproximação de animais estranhos, feridos ou doentes;

• Não perturbar animais durante a alimentação;

• Não separar brigas de animais;

• Não tocar em morcegos em hipótese alguma, principalmente se este for encontrado durante dia;

• Não criar animais silvestres ou tirá-los de seu habitat natural.

– Informe a Secretaria Municipal de Saúde:

• Caso o seu animal mude de comportamento repentinamente e drasticamente;

• A existência de morcegos de qualquer espécie fora do seu hábito noturno;

• A ocorrência de morte de animais com suspeita de raiva ou causa desconhecida relacionada aos sinais clínicos citados anteriormente deve ser informada à Unidade de Vigilância em Zoonoses.

Esta recebe animais mortos que tenham histórico de sintomatologia nervosa, suspeitos de raiva e o animal tenha entrado em óbito há menos de 48 horas. Nesta situação, com autorização do médico veterinário da UVZ o animal é encaminhado para necrópsia, e amostras de material são coletadas e enviadas ao Laboratório Central do Estado do Paraná.

Dengue

É uma doença causada por vírus, transmitida pela picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti infectada.

– Identificando o mosquito:

É menor que um pernilongo comum, preto com manchas brancas nas pernas e no corpo. Pica

durante o dia, não fazem zumbido e gostam de ficar dentro das casas.

– Quais os principais sintomas da dengue?

− Febre alta (39 – 40º) que dura cerca de 7 dias.

− Dor de cabeça, dor nas juntas, dores musculares e no fundo dos olhos;

− Cansaço, fraqueza e falta de apetite;

− Manchas avermelhadas na pele e até sangramento;

− Náuseas e vômitos.

– O que fazer ao sentir os sintomas acima?

Recomenda-se ir a uma Unidade de Saúde para investigação e atendimento médico.

Como prevenir:

• Não deixe acumular água em pratos de vasos. Substitua a água por areia grossa e umedecida.

• Use sempre sacos plásticos bem fechados para armazenar lixo.

• Não deixe jogadas latas, copos, tampinhas e outros objetos que possam armazenar água.

• Guarde pneus velhos em locais cobertos. Evite deixá-los expostos à presença de água.

• Tampe bem as caixas d’água, cisternas e tambores

Leptospirose

É uma doença infecciosa aguda, potencialmente grave, causada por uma bactéria do gênero

Leptospira spp., afetando principalmente os Rins e o Fígado.

– Como a leptospirose é transmitida?

Acomete grande parte dos animais e o homem. Ela é contraída pelo homem ao entrar em contato direto com a urina de ratos infectados, ou indireto através da água e solos lamacentos contaminados. O principal transmissor da doença na área urbana é o rato de esgoto (Rattus novergicus).

A Leptospira spp. penetra através da pele íntegra (contato prolongado), feridas, mucosas (olhos, nariz, boca), ou através da ingestão de alimentos e água contaminados.

– Quais os sintomas de leptospirose nos seres humanos?

• Febre;

• Calafrios;

• Dor de cabeça;

• Mal-estar geral;

• Dores musculares;

• Cansaço;

• Icterícia (Pele e mucosas amareladas);

• Forte dor na “batata da perna” é um sinal bem característico da doença.

– O quê fazer ao sentir os sintomas?

Recomenda-se procurar o Posto de Saúde mais próximo para um exame mais detalhado e diagnóstico.

– Como fazer para prevenir a leptospirose?

A principal estratégia no controle da doença é justamente a prevenção. Algumas recomendações são necessárias para reduzir o risco de transmissão da doença:

• Mantenha seu quintal limpo, sem acumular entulhos, evitando assim o abrigo para os ratos;

• Coloque o lixo e sacos plásticos em lixeiras tampadas, nunca os jogue em terrenos baldios;

• Guarde os alimentos em potes fechados;

• Use botas e luvas quando for trabalhar em áreas de risco, como por exemplo, em enchentes, túneis, banhados, entre outros;

• Mantenha sua cozinha e dispensa limpa;

• Iniba a entrada dos ratos em sua casa fechando as possíveis entradas;

• Não deixe o mato alto em jardins e quintais;

• Evite o contato com água ou lama de enchentes e não deixe que as crianças nadem ou brinquem em rios e córregos próximos às cidades;

• Vacine seu cão contra a leptospirose;

• Mantenha o local destinado aos animais domésticos sempre bem limpos, evitando que sobrem restos de ração e comida.

– O que fazer em casos de enchente?

• Faça a limpeza da casa (teto, parede, roupas, móveis e o chão) com água sanitária na proporção de 1 litro de água sanitária para 1000 litros de água limpa;

• Use sempre botas e luvas na limpeza de locais onde foram atingidos pela enchente;

• Jogue fora adequadamente os alimentos contaminados pela água, e também aqueles com sinais de contato com roedores;

• Caso não haja uma fonte de água tratada, ferva a água por 15 minutos antes de consumir, ou então, utilize duas gotas de hipoclorito de sódio a 2,5% para cada litro de água, e aguarde 30 minutos antes da ingestão.

Hantavirose

É uma zoonose aguda, grave, que afeta os humanos e é causada pelo hantavírus.

– Como é transmitida a hantavirose?

O hantavírus esta presente nas fezes, urina e saliva de roedores silvestres, entre estes os principais transmissores são o rato do arroz e o rato da taquara. A transmissão se dá pelo contato direto, através de ferimentos na pele, ingestão de água e alimentos contaminados, e principalmente através da inalação de aerossóis (pequenas partículas provenientes das secreções e excretas de animais infectados).

– Quais os principais sintomas da hantavirose nos seres humanos?

• Febre alta;

• Dores musculares;

• Dores de cabeça;

• Vomito;

• Diarréia;

• Diminuição da produção de urina;

• Sangramentos gengivais;

• Pequenas manchas avermelhadas ou arroxeadas pelo corpo;

• Tosse seca;

• Falta de ar;

• Queda da pressão arterial.

– O que fazer se sentir alguns dos sintomas citados?

Recomenda-se ir a uma Unidade de Saúde para investigação e atendimento médico.

– Quais os grupos de risco?

Moradores de área rural, especialmente os envolvidos em atividades agropecuárias e de reflorestamento, os trabalhadores encarregados da limpeza de paióis, celeiros e galpões de armazenamento de alimentos e ração, e também, pessoas que fazem trilhas e acampam nas matas.

– Como prevenir a hantavirose?

Por não existir vacina para a hantavirose, torna-se necessário a prevenção:

• Evitar contato com ratos silvestres;

• Nunca deixar caixas com comida ou lixo diretamente no chão;

• Destinar o lixo a local adequado e devidamente lacrado;

• O plantio de milhos e outros grãos devem ser realizados longe da casa;

• Evitar locais fechados onde são estocados grãos ou há restos dos mesmos;

o Antes de limpar um local fechado, procure deixar ventilá-lo por ao menos uma hora antes de proceder à limpeza;

• Não deixe restos de comida no chão ou locais inadequados;

• Lave sempre os talheres e pratos antes de usá-los;

• Mantenha a mata ao redor da casa sempre limpa e bem aparada.

Toxoplasmose

É uma doença infecciosa, congênita ou adquirida. É causa por um protozoário chamado Toxoplasma gondii.

– Como é transmitida a toxoplasmose?

Gatos e outros felinos são os hospedeiros definitivos do Toxoplasma gondii, eliminando os oocistos destes protozoários nas fezes apenas quando se infectam pela primeira vez, ou quando sofrem algum estresse que provoca baixa de imunidade, durante um tempo determinado. Ocasionalmente, estes oocistos podem ser ingeridos por animais de produção, ou infectar alimentos e água. A infecção no homem se pela ingestão da carne crua ou mal passada infectada ou de verduras mal lavadas e água contaminada.

O contato direto com cães e gatos não representa riscos de infecção, tendo em vista que o mesmo elimina oocistos do protozoário nas fezes, durante um período determinado de tempo e que este oocisto precisa ficar em contato com o ar, por durante 48 horas no mínimo para se tornar infectante.

– Quais os sintomas indicativos de toxoplasmose nos seres humanos?

A doença pode atingir diversas partes do corpo, porém, alguns sintomas merecem destaque. São eles:

• Febre;

• Manchas pelo corpo;

• Cansaço;

• Dores pelo corpo;

• Linfadenopatia (Ínguas pelo corpo);

• Dificuldade para enxergar devido a lesões na retina.

– O quê fazer ao sentir os sintomas?

Recomenda-se procurar a Unidade de Saúde mais próximo para um exame mais detalhado e diagnóstico.

– Como fazer para evitar a toxoplasmose?

A principal estratégia no controle da doença é a prevenção, algumas recomendações são necessárias para que se reduza o risco de infecção:

• Evite o contato direto com as fezes dos gatos, quando for limpar a caixa de areia utilizar  sempre luvas de borracha e uma pá própria para isto;

• Lavar bem as mãos sempre após manipular alimentos e mexer no jardim;

• Evite a ingestão de carne crua, pois os cistos teciduais do protozoário são eliminados quando submetidos ao calor por 65ºC de 4 a 5 minutos;

• Lave bem as verduras antes de comer;

• Os tanques de areia para crianças devem ficar sempre cobertos após a utilização;

Grávidas devem dar atenção especial à toxoplasmose, pois a enfermidade grave para o bebê, podendo causar aborto, ou deixar sequelas.

Legislação relativa À UVZ

A Unidade de Vigilância de Zoonoses – UVZ tem como foco a prevenção, a vigilância e o controle

de todas as enfermidades que possam ser transmitidas por animais vertebrados e invertebrados a seres humanos.

Dentro dessa delimitação, a UVZ atua no controle de animais domésticos, de companhia e de serviço, de acordo com a seguinte legislação:

• Lei Federal n° 9605 de 12 de fevereiro de 1998 ( Lei de Crimes Ambientais)

• Lei Federal n° 5197 de 03 de janeiro de 1967 ( Dispõe sobre a proteção à fauna e dá outras providências).

• Lei Estadual n° 14037 de 20 de março de 2003 ( Código Estadual de Proteção Animal).

• Lei Municipal nº 35 de 1991

• Lei Municipal n° 90 de 1999.

• Decreto Municipal nº 134 de 20 de outubro de 2000.

• Decreto Municipal n° 35 de 2 de março de 2010 (Programa de Controle Ético de População Canina e Felina do Município).

• Resolução n° 1015 de 9 de novembro de 2012 do Conselho Federal de Medicina

Veterinária (Condições para funcionamento de estabelecimentos Veterinários).

• Resolução n° 1000 de 11 de maio de 2012 (Dispõe sobre procedimentos e métodos de eutanásia em animais)

Telefones Úteis

Secretaria Municipal de Saúde – 3381-6371
Divisão de Saúde Ambiental – 3381-6399
Unidade de Vigilância de Zoonoses – 3384-1228
Guarda Municipal – 3382-4346
Força Verde – 0800-6430304
Vigilância Sanitária – 3587-6450
Secretaria Municipal de Meio Ambiente – 3383-1313

 

Entre em contato com a Unidade de Vigilância em Zoonoses caso exista alguma dúvida, ou se observar algum caso suspeito relativo às zoonoses, através do telefone 3384-1228.

Animais Mortos

A UVZ não recebe e não recolhe animais mortos. Esses devem ser recolhidos pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente. A ocorrência de morte de animais com suspeita de raiva ou causa desconhecida relacionada aos sinais clínicos citados anteriormente deve ser informada à Unidade de Vigilância em Zoonoses. Esta recebe animais mortos que tenham histórico de sintomatologia nervosa, suspeitos de raiva e o animal tenha entrado em óbito há menos de 48 horas. Nesta situação, com autorização do médico veterinário da UVZ o animal é encaminhado para necrópsia, e amostras de material são coletadas e enviadas ao Laboratório Central do Estado do Paraná.