Logo

Portal da Prefeitura


Paisagens Culturais 2016


Sao Jose dos Pinhais, 25 de Abril de 2016 (Semuc) - Biblioteca Scharffenberg de Quadros (Foto: Ary Portugal/PMSJP)

O concurso de Linguagens Culturais 2016, promovido pela Prefeitura de São José dos Pinhais, por meio da Secretaria de Cultura, traz para essa edição o tema “Paisagens Culturais” e tem inscrições abertas até o dia 16 de setembro.

Segundo a organização, a escolha deste tema segue a ideia do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) que quer enfatizar a necessidade da valorização das culturas e da diversidade paisagística do país, que possui um mosaico de bens culturais.

O Concurso de Linguagens Culturais de São José dos Pinhais está aberto para a comunidade em geral, residente no Município, além de Curitiba e Região Metropolitana, e está dividido em dois eixos: Prêmio de Literatura Leopoldo Scherner e Prêmio de Fotografia Sebastião Côrtes, onde cada participante poderá inscrever até 3 trabalhos por categoria.

O concorrente deve imprimir a ficha de inscrição (disponíveis no link abaixo) e entregar na Biblioteca Pública Municipal Scharffenberg de Quadros – Praça 8 de Janeiro, 120 – Centro.

Paisagens Culturais
“Cada região do Brasil é constituída por paisagens específicas, muitas vezes identificáveis por meio da relação estabelecida entre os diferentes grupos sociais e o território. Sob essa perspectiva, determinados contextos urbanos, ou até localidades específicas de cidades cosmopolitas, podem ser trabalhados como paisagens culturais. Esses espaços abrigam pessoas com diferentes heranças culturais e que trazem influências múltiplas em termos de arquitetura, culinária, costumes, vestimentas, falares, artes e outros“, publicou o Ibram.

Prêmio de Fotografia Sebastião Côrtes
Para o Prêmio de Fotografia Sebastião Côrtes as fotografias poderão ser digitais e/ou convencionais, preto e branco e/ou coloridas, no tamanho 20cm x 25cm, em papel fotográfico fosco sem margem e não poderão conter nenhum tipo de retoque ou montagem. No verso de cada fotografia deverá constar etiqueta adesiva com o pseudônimo do fotografo, título da fotografia, data e local de onde foi realizada a fotografia. Todas as fotografias deverão ser acompanhadas de seus negativos e/ou CD com arquivo eletrônico e da ficha de inscrição.

Prêmio de Literatura Leopoldo Scherner
No Prêmio de Literatura Leopoldo Scherner que contempla o conto, a crônica e a poesia, deverá ser apresentado em 3 vias impressas em folha A4, digitado em espaço 1,5 (um e meio), fonte Arial, tamanho 12, em uma só face, ter no máximo três páginas. Cada um dos trabalhos deverá ser acompanhado da ficha de inscrição e CD-ROM com o respectivo arquivo gravado em formato word. Nos trabalhos deverá somente constar o título e o pseudônimo. Os trabalhos deverão ser inéditos, não ter sido objeto de qualquer tipo de apresentação, vinculação, exposição ou publicação anterior ao Concurso de Linguagens Culturais.

A redação, Prêmio Leopoldo Scherner – Jovem Escritor, destinada a participantes na faixa etária de 8 a 14 anos, deverá ser apresentada também nos mesmos moldes dos demais participantes, atentando para que os autores menores de 18 anos deverão encaminhar ficha de inscrição com dados do responsável juntamente com os trabalhos.

Conto: narrativa curta, porém deve apresentar um conflito. O tempo em que se passa é reduzido e contém poucas personagens que existem em função de um núcleo. É o relato de uma situação que pode acontecer na vida das personagens, porém não é comum que ocorra com todo mundo.

Crônica: texto curto e simples, narra fatos do dia a dia, relata o cotidiano das pessoas, situações que presenciamos e já até prevemos o desenrolar dos fatos.

Informações: (41) 3381-5845

e-mail: biblioteca@sjp.pr.gov.br

 

Ficha de Inscrição e Regulamento – Prêmio de Fotografia Sebastião Côrtes

Ficha de Inscrição e Regulamento – Prêmio de Literatura Leopoldo Scherner

 

Quem foi Leopoldo Scherner?
Nasceu em 22 de julho de 1919 em São José dos Pinhais. Cursou o primário nessa Cidade, o ginásio em Rio Negro, o clássico no Rio de Janeiro e Letras Neolatinas na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade do Brasil, hoje Universidade do Rio de Janeiro, além de Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Paraná. Foi professor de Literatura Portuguesa, Língua Portuguesa e Filosofia Romântica nos cursos de Comunicação Social da PUC-PR. Membro da Academia Paranaense de Letras, ocupou a cadeira 5, sucedendo o poeta Tasso da Silveira. Fundou o Campus São José da Universidade Católica do Paraná e foi seu primeiro diretor de 1991 a 1995. Membro do Conselho de Cultura participou da assinatura do termo de geminação entre São José dos Pinhais e Montemor-O-Velho, Portugal. Dinâmico, educado, poeta, cronista, filólogo, professor e escritor de histórias infantis dois fatores o caracterizaram marcantemente: o interesse por Portugal e a liderança entre os jovens. Foi homenageado no 6o Carnaval de bonecos de São José dos Pinhais, em 2005. Faleceu em 27 de janeiro de 2011.

Quem foi Sebastião Côrtes?
“Para fotografar bem não deve-se observar o objeto apenas com os olhos, mas sobretudo com a alma” – Sebastião Côrtes. Nasceu em Curitiba em 26 de abril de 1919. No início da década de 40, após concluir os estudos, iniciou trabalhos no Instituto Brasileiro de Geografia Estatística – IBGE. Mudou-se para Marechal Mallet, onde conheceu Dona Jacy, esposa e companheira. Durante a segunda guerra, auxiliou a desmantelar um covil de espiões nazistas que agia na região de São José dos Pinhais. Ainda nessa época, iniciou trabalhos na Base Aérea do Afonso Pena, então em construção e hoje aeroporto de São José dos Pinhais. Ao término das obras, transferiu para a Secretaria da Fazenda do Estado. Posteriormente, foi aprovado em concurso público do Tribunal de Contas do Estado, onde trabalhou até se aposentar. Aposentado e sentindo necessidade de um noticioso local, fundou a Folha de São José, em que acumulava funções de diretor, redator, repórter e fotógrafo, essa última, profissão que exerceu até a saúde permitir. Em função da necessidade de rapidez, acabou por montar um laboratório fotográfico na própria casa, onde passava madrugadas entre revelações de filmes e fotografias. Apaixonado desde sempre por fotos, quando criança construiu sua própria máquina fotográfica e seu laboratório. Faleceu em 5 de outubro de 2010.