(Fotos: Alexandre Torres Jr / PMSJP)

 

Escolas municipais da rede de ensino da cidade solicitarão aos pais de alunos cópia da ‘carteirinha’ de vacinas, entre outros documentos já solicitados, no ato da matrícula para o ano letivo de 2019 conforme determina recente lei Estadual nº 19.534/18 em vigor no Paraná desde junho deste ano. Lei garante imunização de crianças e adolescentes.

 

Os alunos do sistema público de ensino dos 399 municípios do Paraná, entre eles, São José dos Pinhais, com idade até dezoito anos deverão apresentar a partir do próximo ano letivo (2019), além de outros documentos que já são solicitados nas secretarias das escolas, a cópia da ‘carteirinha’ de vacinas no ato da matrícula escolar.

A solicitação atende a lei Estadual nº 19.534/18 que está em vigor desde 4 de junho deste ano e a obrigatoriedade da apresentação do documento ocorre tanto em instituições de ensino da rede pública quanto particular que ofereçam Educação Infantil, Ensino Fundamental e também o Ensino Médio garantido desta maneira a imunização principalmente das crianças e adolescentes no combate de doenças como a poliomielite, sarampo e tétano, por exemplo.

Em São José dos Pinhais, o Departamento de Atenção a Saúde (DAS) da secretaria municipal da Saúde – SEMS, informou que conforme acordo preestabelecido entre a SEMS com a secretaria municipal de Educação (SEMED) e o Núcleo Estadual de Educação, as escolas irão solicitar, no momento da matrícula, e encaminhar a cópia da ‘carteirinha’ de vacinas à secretaria de Saúde do município que irá emitir o ‘Certificado de Vacina’ das carteirinhas que estiverem em dia e ‘Notificação’ às carteirinhas com situação vacinal em atraso.

Assim, os pais de alunos com vacinas em dia não vão precisar aguardar na fila para atendimento e emissão dos certificados nas Unidades de Saúde do município e segundo a SEMS, o acordo entre as secretarias e Núcleo de Educação, melhora o atendimento para a população.

De acordo com a secretaria de Estado da Saúde e o Ministério da Saúde, o Paraná garantiu um índice de cobertura vacinal de 90%, acima da média nacional, de 83%, mas apesar do bom resultado o grupo de crianças de 6 meses a 4 anos de idade foi um dos que tiveram menor cobertura.